Região dos Lagos e Norte Fluminense

Jornal primeira hora Jornal primeira hora
Quinta-feira , 28 de Aug 2014

Atualizado em 09/03/2007 00:00:00

Moradores de Vila Verde pedem atenção do poder público para as invasões que acontecem no bairro

mfq_09_03_07O trator que durante meses cortou terrenos abrindo lotes dentro de Vila Verde, aterrando brejos e lagoas e desmatando áreas de vegetação nativa

0 Preocupados com as invasões de terra que vêm ocorrendo em Vila Verde, bairro limite entre os municípios de Búzios e Cabo Frio, moradores pedem total atenção do poder público das duas cidades para esta área, uma das últimas a conservar as características originais de nossa mata nativa, abrigando inclusive áreas de proteção ambiental como a Reserva Tauá, recentemente declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Um ofício produzido pela Associação de Moradores Sítios da Amizade, está sendo encaminhado ao secretário de Meio Ambiente de Cabo Frio, Alcebíades Terra Tavares, pedindo providências urgentes para acabar com o problema das invasões. Segundo o presidente da associação, Júlio Nunes, a luta dos moradores é para que o local não se degrade sendo fatiado de qualquer maneira.

- Temos medo que isso aqui seja rapidamente favelizado com este retalhamento que estão fazendo nos terrenos. Os invasores chegam a cortar lotes de apenas 300 metros quadrados, entrando pela mata adentro sem respeitar os lotes já existentes, nem as áreas de mata virgem, os brejos e lagoas. Passam por cima de tudo. Aterram tudo e vendem. Já venderam diversos lotes abertos assim dessa forma irregular, em terrenos particulares, de pessoas que vivem fora daqui e nem sabem o que está acontecendo. Quando descobrirem vai ser a maior confusão. Esse lugar está mudando rápido e as autoridades precisam tomar providências urgentes, pois nós moradores não queremos mais que estas coisas aconteçam aqui e vamos enfrentar esses invasores. Solicitamos a presença do poder público dentro de Vila Verde para acabar com as irregularidades imediatamente, antes que o município perca uma das áreas mais nobres de mata nativa que possui. O ofício está sendo encaminhado ao secretário de Meio Ambiente de Cabo Frio, pois, 90% da área de Vila Verde ficam neste município – alerta Júlio.

A associação pede a presença de uma equipe de fiscalização da secretaria durante os finais de semana, justamente quando os invasores costumam aparecer na área, visando escapar dos fiscais, que não atuam nesses dias. Júlio oferece as instalações da associação para abrigar os fiscais, caso decidam permanecer em vigília durante o final de semana: - Só uma investida assim, poderá acabar com este problema das invasões – acrescenta o presidente.

Associação enviou sugestões para a secretaria de Planejamento de Cabo Frio para serem incluídas no Plano Diretor da Cidade

Em agosto do ano passado, a Associação de Moradores dos Sítios da Amizade entregou ofício à sub-secretária de Planejamento, Elizabeth Peralta, sugerindo uma série de ítens a serem implantados no bairro, visando melhorar a qualidade de vida dos moradores. Entre as principais reivindicações, estão: a adoção de programas de regularização fundiária; apoio à agricultura familiar; fiscalização intensa para impedir a ocupação irregular de terras; e transporte público. Embora oficialmente, a associação não tenha recebido qualquer resposta a estas sugestões, Júlio acredita que o recente anúncio (publicado na edição de ontem do Jornal Primeira Hora) do secretário de Meio Ambiente, de que as fiscalizações ambientais seriam intensificadas em áreas de preservação ambiental, inclusive com apoio da equipe de regularização fundiária, já seja um sinal, um indicativo que o ofício do ano passado gerou resultados.

- Recebemos com muita alegria a informação da intensificação na fiscalização e esperamos que após a entrega do nosso ofício esta semana, comecem o trabalho por Vila Verde, um lugar que necessita urgente de atenção – finaliza.

O início das invasões

Desde o final do ano passado, a comunidade vem alertando as autoridades sobre a ação irregular de um trator, que periodicamente percorre o lugar abrindo ruas, desmatando áreas de vegetação nativa e até aterrando pequenos brejos e lagoas com o objetivo de criar um loteamento. De acordo com as denúncias, o trator invade terrenos particulares que se encontram vazios, sem respeitar cercas ou marcos, obedecendo uma planta antiga de um loteamento aprovado há mais de trinta anos, antes da Emancipação Política de Búzios, mas que por não ter sido vendido na época, hoje se encontra totalmente descaracterizado.

- Era o loteamento chamado Praia Rasa, feito pela Companhia Agrícola Campos Novos, a atual Odeon. Foi aprovado na época pela prefeitura, mas sem licença ambiental, coisa que antigamente ninguém se importava. Hoje já é diferente. Hoje não se pode lotear ou construir sem uma autorização ambiental – afirma Júlio Nunes, presidente da Associação de Moradores Sítios da Amizade. Ele conta que os proprietários de terra da área que forma os Sítios da Amizade, compraram seus terrenos da Jades Imobiliária, que nos anos 80 promoveu a venda de 500 lotes de 4 mil e 600 metros quadrados cada.

- A área dos Sítios é bem grande. São 500 lotes de quase 5 mil metros quadrados cada. O problema é que apenas 50 desses lotes estão hoje ocupados. O resto é mata virgem. Alguns nem cercados estão, o que propicia a entrada de gente estranha – completa Júlio.

A ação do trator gerou outra ação tão perigosa quanto: a venda de lotes. Conforme relatos da associação, no final de semana antes do Carnaval, vans e micro-ônibus lotados de compradores em potencial, foram trazidos ao local para verem os novos lotes de aproximadamente 300 metros quadrados, recém abertos. Os moradores afirmam que uma nova investida de compradores está programada para qualquer momento e temem o que possa acontecer, pois, dizem que vão interferir e brigar se for preciso para impedir a venda irregular.

Colaborador: Lúcia Elena Simas

MAIS NOTÍCIAS

Voltar para Búzios Enviar para um amigo Imprimir

Copyright 1995-2010 Jornal Primeira Hora, Todos os direitos reservados.